Arquitetura Românica

A arquitetura românica é o estilo arquitetônico que surgiu na Europa, mais precisamente no Ducado da Normandia, no século X – embora alguns autores afirmam que o estilo surgiu um pouco antes – fortemente inspirado na Arquitetura da Roma Antiga Republicana (509 a.C. – 27 a.C.) e evoluiu para o estilo gótico por volta do ano 1100.

Abadia de Lessay - Normandia - França

Abadia de Lessay – Normandia – França

Caracteriza-se por construções austeras e robustas, com paredes grossas e minúsculas janelas, cuja principal função era resistir a ataques de exércitos inimigos e invasões bárbaras.

Igreja de Santa Maria Del Naranco - Oviedo - Espanha

Igreja de Santa Maria Del Naranco – Oviedo – Espanha

Acima, igreja inicialmente construída como Palácio de Ramiro I.

Igreja de Saint Foy - Conques - França

Igreja de Saint Foy – Conques – França

As conquistas de Sancho de Navarra e Aragão, alargando o seu domínio, desimpediram o que viria a ser o famoso «caminho francês» para Santiago de Compostela, cuja célebre catedral, posteriormente reconstruída em 1705 é o mais acabado monumento peninsular da nova arquitetura românica, obedecendo ao padrão dos templos de peregrinação, como São Saturnino de Toulouse.

Catedral de Santiago de Compostela

Catedral de Santiago de Compostela

Imagem

Características das Igrejas Românicas

A estrutura das igrejas românicas são mais complexas que a das paleocristãs. Estando mais próxima da arquitetura romana no seu aspecto apresenta naves de abóbadas de pedra em vez de travejamento de madeira.

Igreja de Saint Foy - Conques - França - Abóbada Românica

Igreja de Saint Foy – Conques – França – Abóbada Românica

A igreja românica é precedida por um átrio ladeado de pórticos que faz a ligação à igreja através de um nártex (algo como um átrio).

Porta da Igreja de Santa Maria - Catalunia - Espanha

Porta da Igreja de Santa Maria – Catalunia – Espanha

O esquema do alçado interior das igrejas românicas faz-se através dos elementos: coluna, feixe de pilares, abóbadas de canhão, tribuna.

Igreja de São Pedro Xhignesse - Bélgica - Terminação Semi-circular típica do estilo

Igreja de São Pedro Xhignesse – Bélgica – Terminação Semi-circular típica do estilo

Muitas igrejas terminavam no lado leste de forma semi-circular.

O trifório, galeria semi abobadada aberta para a nave central, era colocado sobre as naves laterias mais baixas, iluminado pelo clerestório.

O nártex precedia a entrada e era reservado aos catecúmenos. No alçado da entrada eventualmente eram colocadas uma ou duas torres.

Catedral de Lisboa - Nave Principal com Abóbada

Catedral de Lisboa – Nave Principal com Abóbada

O sistema estrutural é conseguido através de contrafortes para suportar o peso, paredes compactas e poucas aberturas, cobertura em abóbada de canhão e abóbada de aresta na nave central. É feita uma divisão vertical em 2 planos, com uma galeria espaçosa sobre os arcos principais, os arcos laterais e transversais do interior são sustentados por apoios independentes.

Igrejas românicas de cúpula

Igrejas românicas de cúpula são igrejas com cúpulas seriadas (próprias do oeste e sul da França), influência direta da arquitetura muçulmana e bizantina. Possuem uma nave única muito ampla, em alguns casos com um transepto saído (Solignac e Angoulême). A abside é tão larga como a nave. A nave central é coberta por uma série de cúpulas sobre pendentes sustentadas por arcos amplos.

Em Germiny-des-Prés observamos uma catedral com cruz grega inscrita num quadrado com uma cúpula central e cúpula nos cantos (planta em quincunce).

São Marcos, em Veneza apresenta uma planta em cruz grega em que a cúpula central se ergue muito acima da cúpula real mais baixa e em madeira.

Arquitetura românica de peregrinação

Cluny e Santiago de Compostela são provavelmente os melhores exemplos de igrejas de peregrinação.

Santiago_de_Compostela_plan_vertical

Plano Arquitetônico da Catedral de Santiago de Compostela

A planta é em cruz latina com três a 5 naves abobadadas em pedra. A cabeceira ou charola é constituída por abside, absidíolos e deambulatório. Estas igrejas eram dotadas para receber grandes multidões e procissões, pelo que havia a necessidade do deambulatório, que permitia o decorrer normal das cerimônias simultaneamente com as procissões passando atrás do altar.

Catedral de Santiago de Compostela - Vista Aérea

Catedral de Santiago de Compostela – Vista Aérea

Imagem

 

Arquitetura românica pela Europa

França

França apresenta estilos locais, influência das igrejas de peregrinação. O ordenamento do extremo oriental evoluiu para uma planta radiante ou escalonada (como em Issoire). Era acrescentado um deambulatório à volta do perímetro da ábside para permitir o acesso às capelas. Na planta escalonada eram introduzidas capelas no lado oriental do transepto. A separação entre o clero e fieis era feita também com a distinção entre altares dos santos e altar-mor.

Abadia Aux Hommes - Caen - França

Abadia Aux Hommes – Caen – França

Acima, a Abadia de Santa Etiene, em Caen , França, com suas torres altas e três portas de entrada, prenuncia as características do estilo gótico, que viria a se alastrar pela Europa nos próximos séculos.

Abadia de Cerisy le Foret - Normandia - França

Abadia de Cerisy le Foret – Normandia – França

Na Provença encontramos igrejas altas, pouco largas com coberturas de ogivas e arco quebrado, não tem tribuna, mas altas janelas.

Em Poitou as naves laterais são estreitas e elevam-se à altura da nave central.

Um segundo grupo de igrejas, as igrejas de cúpulas foram influenciadas pela arquitetura muçulmana e bizantina, com uma nave única muito alta com ou sem transepto e capelas radiantes.

Itália

Itália mostrou-se conservadora e não acompanhou a escala de atividade registada na França. A herança estilística da influência antiga clássica, bizantina e muçulmana foi explorada ao máximo: continuaram a usar a cúpula alteada, campanilles e batistérios separados, revestimentos de mármore no exterior e uma decoração austera. A torre é separada da igreja como em San Miniato al Monte, a fachada é ordenada com colunatas e arcarias cegas. O românico toscano tem influência muçulmana e bizantina: a cobertura é de madeira, as colunas clássicas e planta comum às basílicas paleo-cristãs. A fachada é viva, volta-se para a praça, tradição romana da vida pública na rua (como podemos observar no baptistério de Florença).

Igreja de São Zeno - Verona - Itália - Fachada típica

Igreja de São Zeno – Verona – Itália – Fachada românica típica

Portugal

Durante a reconquista, de que nasceu Portugal, a arte peninsular não muçulmana continuava, na maior parte, os velhos modelos visigóticos, quer revestindo as formas moçarabes duma arte popular, do cristão submetido, a qual fundia elementos da tradição hispano-visigótica com os de origem cordovesa, quer adquirindo características ainda mais originais no reino das Astúrias, onde a remota arte visigótica se esfumara com a influência carolíngia, lombarda e romana. Um dos melhores expoentes do românico em Portugal é a Sé Velha de Coimbra, cuja construção data do século XII.

Fonte

Saiba mais

Um artigo completo sobre arquitetura românica na Wikipedia (em inglês).

Imagens – Todas as imagens deste artigo sem indicação de fonte, foram retiradas do link acima.