Arquitetura High-tech e Industrial Style

Publicidade

A Arquitetura High-tech ou Arquitetura de Alta Tecnologia, também conhecida como expressionismo estrutural, é um tipo de estilo arquitetônico brutalista tardio que surgiu na década de 1970, incorporando elementos da indústria e da alta tecnologia no design de edifícios.

A arquitetura de alta tecnologia cresceu a partir do estilo modernista, utilizando novos avanços tecnológicos e de materiais. Enfatiza a transparência no design e na construção, explicitando a estrutura e a função subjacentes de um edifício em todo o interior e exterior. A arquitetura high-tech faz uso extensivo de aço, vidro e concreto, pois esses materiais estavam se tornando mais avançados e disponíveis em uma variedade maior de formas no momento em que o estilo estava se desenvolvendo.

Hotel Arts - Barcelona

Hotel Arts – Barcelona

A arquitetura de alta tecnologia se concentra na criação de edifícios adaptáveis ​​por meio da escolha de materiais, elementos estruturais internos e design programático. Ele procura evitar laços com o passado e, como tal, evita materiais de construção comumente usados ​​em estilos mais antigos de arquitetura. Elementos comuns incluem pisos suspensos ou salientes, falta de paredes internas de suporte de carga e espaços reconfiguráveis. Alguns edifícios incorporam cores brilhantes e proeminentes na tentativa de evocar o sentido de um desenho ou diagrama.

Os principais arquitetos do High-tech incluem: Bruce Graham, Fazlur Rahman Khan, Minoru Yamasaki, Sir Norman Foster, Sir Richard Rogers Sir Michael Hopkins, Renzo Piano, Santiago Calatrava.

Estética Industrial

Os primeiros edifícios de alta tecnologia foram referidos pelo historiador Reyner Banham como “galpões com serviços” devido à exposição dos detalhes mecânicos e da estrutura do edifício, num aspecto de maquinaria industrial. A Arquitetura High-tech expressa comumente uma estética de fábrica com grande espaço central atendido por muitas áreas menores para evocar uma sensação de abertura e transparência.

A maioria destas construções usava aço estrutural exposto. Como as seções estruturais ocas só se tornaram amplamente disponíveis no início dos anos 70, a arquitetura de alta tecnologia viu muitas experiências com esse material.

Origens da Arquitetura High-tech

A arquitetura de alta tecnologia foi originalmente desenvolvida na Grã-Bretanha, com muitos de seus primeiros defensores mais famosos sendo britânicos. No entanto, o movimento tem raízes em vários estilos anteriores e se inspira em vários arquitetos de períodos anteriores. Muitos dos ideais comunicados através da arquitetura de alta tecnologia foram derivados dos primeiros modernistas da década de 1920. Os conceitos de transparência, honestidade nos materiais e um fascínio pela estética da indústria podem ser atribuídos aos arquitetos modernos. A arquitetura de alta tecnologia, assim como o modernismo, compartilha da crença em um “espírito da época” que deve ser incorporado e aplicado em cada edifício. A influência de Le Corbusier, Walter Gropius e Mies van de Rohe é extensa ao longo de muitos dos princípios e projetos da arquitetura de alta tecnologia.

Alguns dos primeiros praticantes de arquitetura de alta tecnologia incluíram o grupo de arquitetura britânico Archigram, cujos membros freqüentemente projetavam edifícios e cidades futuristas avançadas. O mais influente deles foi o Plug-in City de Peter Cook, uma mega estrutura teórica projetada em torno da desanexação e substituição de cada uma de suas unidades individuais. O conceito de elementos removíveis e intercambiáveis ​​dos edifícios mais tarde se tornaria uma característica generalizada dentro do estilo high-tech.

Os precursores menos diretos incluíram Buckminster Fuller e Frei Otto, cujo foco em minimizar os recursos de construção gerou ênfase nas estruturas de tração, outro elemento importante em muitos projetos de alta tecnologia. O conceito de Louis Kahn de espaços “servidos” e “servos”, particularmente quando implementado na forma de torres de serviço, mais tarde se tornou um recurso generalizado da arquitetura de alta tecnologia.

Outros projetos e designs que continham ou inspiravam elementos comuns ao estilo de alta tecnologia incluem o conceito de bowelismo do membro do Archigram Mike Webb, o Fun Palace de Cedric Price e a Walking City de Ron Herron, também membro do Archigram. Esses projetos teóricos, juntamente com muitos outros, foram amplamente divulgados nos círculos arquitetônicos britânico e americano devido ao exame de Reyner Banham. Esses planos conceituais expuseram as idéias e os elementos que mais tarde seriam extremamente influentes nos trabalhos de importantes arquitetos de alta tecnologia como Norman Foster e Nicholas Grimshaw.

Características do estilo High-tech na Arquitetura

Os edifícios de alta tecnologia geralmente incorporam uma variedade de materiais que lembram a produção industrial. Aço, vidro e concreto são comumente encontrados em estruturas de alta tecnologia, pois esses elementos evocam a sensação de serem produzidos em massa e amplamente disponíveis. Nem todos os projetos de alta tecnologia são feitos para acomodar materiais realmente produzidos em massa, mas, mesmo assim, buscam transmitir uma sensação de fábrica e ampla distribuição. Estruturas de tração, vigas transversais e elementos de suporte e manutenção expostos são componentes importantes encontrados em projetos de alta tecnologia. O foco em elementos fortes, simplistas e transparentes conecta o High-tech aos princípios da engenharia. O engenheiro Anthony Hunt foi extremamente influente no projeto, na escolha de materiais e na expressão definitiva de muitos dos primeiros edifícios de alta tecnologia da Grã-Bretanha, e, como tal, muitos desses projetos são impregnados de um enfoque na estética da engenharia e construção.

Faculty of Pharmacy Building

Faculty of Pharmacy Building

Os edifícios construídos no estilo de alta tecnologia geralmente compartilham vários elementos de layout característicos. Isso inclui uma planta-baixa aberta, uma grande área central atendida por muitos espaços auxiliares menores e elementos repetidos que podem ser ou parecem poder ser destacados e substituídos conforme necessário.

Espaços ou elementos dedicados a serviços e componentes mecânicos, como condicionadores de ar, processadores de água e equipamentos elétricos, ficam expostos e visíveis ao espectador. Muitas vezes, esses espaços são colocados em grandes torres de serviço externas ao prédio, como no prédio do Lloyd’s em Londres por Richard Rogers. O prédio do Lloyd’s também possui escritórios projetados para serem alterados e configurados conforme necessário pela mudança e remoção de partições – criando um ambiente interior flexível e adaptável que pode ser alterado para atender às necessidades dos ocupantes do prédio.

Lloyd's Building - Londres

Lloyd’s Building – Londres

Esse tema de espaços reconfiguráveis ​​é um componente importante de edifícios High-tech. O HSBC Building em Hong Kong, projetado por Norman Foster, é outro excelente exemplo de um edifício de alta tecnologia projetado para ser alterado ao longo do tempo de acordo com as necessidades de seus usuários. Seu uso de painéis de piso suspensos e o design de seus espaços sociais como torres individuais enfatizam a nova abordagem para a criação e manutenção de um prédio de escritórios.

O estilo de alta tecnologia é frequentemente interpretado como uma glorificação projetual da tecnologia, enfatizando sobremaneira o objetivo funcional de cada elemento do edifício. Esses projetos incorporam elementos que obviamente mostram a natureza técnica dos componentes, criando um senso de transparência aberta e honesta.

O Centre Pompidou, em Paris, de Renzo Piano e Richard Rogers, exemplifica a tecnicidade e o foco na exposição dos elementos de serviço. A externalização de componentes funcionais é um conceito-chave da Arquitetura High-tech, embora essa técnica também possa ser aplicada para gerar uma estética de luz e sombra dinâmica na fachada de um edifício.

Centre Pompidou - Paris

Centre Pompidou – Paris

A cor também desempenha um papel importante na decoração de edifícios de alta tecnologia, pois várias cores podem ser usadas para representar diferentes elementos de serviço ou para dar ao edifício a aparência de um conjunto de diagramas técnicos.

Êxitos

A arquitetura de alta tecnologia tenta incorporar uma série de ideais que seus praticantes consideravam refletir o “espírito da época”. As preocupações com a adaptabilidade, a sustentabilidade e o mundo industrial em mudança provocaram uma mudança na maneira como muitos arquitetos ao redor do mundo enfrentaram o desafio de projetar edifícios.

O HSBC Building de Norman Foster foi projetado especificamente para ser construído em uma praça pública, de modo a não ocupar mais terreno em Hong Kong, consciente do espaço. O World Trade Center de Minoru Yamasaki estava centrado em uma praça pública elevada de cinco hectares, completamente desprovida de carros, para que os pedestres pudessem andar livremente pelo complexo. Além disso, o World Trade Center levou à construção de uma nova estação PATH, atendendo aos passageiros de trens vindos de Nova Jersey para Nova York.

World Trade Center - New York City

World Trade Center – New York City

Essa abordagem de construção, com o arquiteto tendo tanta responsabilidade para com a cidade quanto o próprio edifício, foi um tema-chave de muitas estruturas projetadas no estilo High-tech. A utilização e distribuição apropriadas do espaço geralmente são um componente essencial da teoria High-tech, e como tal, esses ideais são freqüentemente encontrados em conjunto com preocupações práticas sobre a habitabilidade e a praticidade.

No centro de muitos edifícios de alta tecnologia está o conceito de “omniplatz”. Essa é a idéia de que um edifício e os espaços dentro dele não devem ser estritamente definidos, mas sim executar uma série de funções desejadas. Como tal, uma sala em um edifício de alta tecnologia poderia ser usada como chão de fábrica, depósito ou centro financeiro, todos com redistribuição mínima de elementos estruturais. Os serviços externos de um edifício de alta tecnologia, nessa compreensão do estilo, existem apenas para tornar habitável o espaço central e não definem sua função. Isso pode levar a um efeito no qual os elementos de manutenção de um edifício podem ser entendidos e interpretados sem problemas, mas é difícil adivinhar a função do espaço interior. O edifício do Lloyd’s é um excelente exemplo disso, em que suas torres de serviço comunicam claramente sua função, mas o uso do átrio central é difícil de determinar a partir do exterior.

Embora o objetivo de muitos edifícios de alta tecnologia seja comunicar de forma honesta e transparente sua forma e função, considerações práticas podem impedir a expressão absoluta desse princípio. O Centre Pompidou, por exemplo, possui vários elementos construídos ou encobertos devido a preocupações com a segurança contra incêndios e a solidez estrutural. Em muitos casos, edifícios de alta tecnologia exibem compromissos entre honestidade radical no design e considerações de segurança na implementação.

HK Bank of China Tower

HK Bank of China Tower – Estética fazendo referência as Treliças Metálicas de Instalações Industriais

A Arquitetura High-tech equilibra arte e engenharia como temas principais e assim, também incorre em trocas entre a estética das duas disciplinas.

Sainsbury Centre - University of East Anglia

Sainsbury Centre – University of East Anglia

A arquitetura de alta tecnologia foi mais comumente empregada na construção de fábricas, escritórios corporativos ou grandes salões para exposições, todos os espaços que poderiam efetivamente utilizar a estética industrial sem maiores problemas, e encontrar bom uso para os espaços flexíveis criados pelo estilo. Atualmente, instalações industriais e de grandes eventos continuam utilizando recursos High-tech.

A aplicação de temas tecnológicos em edifícios de alta tecnologia pretende transmitir um espírito de ciência e progresso. Embora a transparência e a honestidade dos materiais sejam muito valorizadas, os projetos de alta tecnologia se esforçam para evocar uma sensação sempre dinâmica de movimento e mudança. Adaptabilidade, flexibilidade e abertura são todos os objetivos principais do estilo de alta tecnologia. Mostrar de forma óbvia e criativa a natureza funcional dos elementos de serviço e comunicar claramente a natureza mutável dos espaços criados dentro deles são objetivos importantes da grande maioria dos edifícios High-tech.

Burj Al Arab - Dubai

Burj Al Arab – Dubai

Críticas

A arquitetura de alta tecnologia gerou algumas críticas por suas incursões na construção e no design de casas, uma questão que compartilha em comum com o modernismo. Muitas das casas projetadas por arquitetos de alta tecnologia nunca foram habitadas por ninguém além de si ou de seus parentes próximos. Muitos críticos consideraram o foco do estilo High-tech na indústria e serviços impróprios para oferecer o conforto que se espera na vida doméstica. As habitações de Norman Foster em Milton Keynes nunca foram particularmente populares, e outros projetos de alta tecnologia foram vistos como desconfortáveis ​​ou desajeitados para se viver.

Saiba mais

Wikipedia (inglês)

Referências

  •  Pawley, Martin (1991). “High-Tech Architecture: History Vs. The Parasites”. AA Files (21): 26–29. ISSN 0261-6823. JSTOR 29543727.
  • Moore, Rowan (2014-02-09). “The Brits who built the modern world”. The Observer. ISSN 0029-7712. Retrieved 2019-12-02.
  • Davies, Colin, 1929- (1988). High tech architecture. New York, NY: Rizzoli International Publications. ISBN 0-8478-0881-5. OCLC 17526878.
  • Dezeen’s guide to high-tech architecture”. Dezeen. 2019-11-04. Retrieved 2019-12-02.
  • Richard Rogers: high-tech’s inside out architect”. Dezeen. 2019-11-06. Retrieved 2019-12-02.
  • Anthony Hunt is the high-tech architect’s engineer”. Dezeen. 2019-11-20. Retrieved 2019-12-02.
  • Lloyd’s building is Richard Rogers’ first high-tech office block”. Dezeen. 2019-11-19. Retrieved 2019-12-02.
  • Wainwright, Oliver (2015-05-28). “Norman Foster’s Hong Kong HSBC headquarters tore up the rule book – a history of cities in 50 buildings, day 45”. The Guardian. ISSN 0261-3077. Retrieved 2019-12-02.
  • AD Classics: AD Classics: Centre Georges Pompidou / Renzo Piano Building Workshop + Richard Rogers”. ArchDaily. 2010-06-11. Retrieved 2019-12-02.
  • , Robert (1999). “Purity and Danger: The Appeal of High-Tech”. AA Files (40): 53–55. ISSN 0261-6823. JSTOR 29544172.
  • Revisiting the Contentious “High Tech” Movement in Architecture”. Metropolis. 2018-06-07. Retrieved 2019-12-02.
  • WAM | Modern – High Tech Architecture”. www.worldarchitecturemap.org. Retrieved 2019-12-02.

O Estilo Industrial (Industrial Style)

Industrial Style, ou Estilo industrial ou ainda Industrial Chic refere-se a uma tendência estética no design de interiores surgida no início dos anos 2000, permanecendo até os dias atuais. O estilo industrial de design é mais comumente encontrado em áreas urbanas.

Vigas, tijolos e concreto expostos são típicos. É o “rústico urbano”, a atmosfera hiper-funcional das fábricas levada aos ambientes sociais.

Inicialmente, surgiu através de reformas de baixo custo para revitalizações de antigas fábricas e espaços industriais, que nos últimos anos tem sido convertidos em lofts, kitnets, comércios e outros espaços de convivência.

Atualmente, porém, essa tendência estética tem sido muito adotada por Arquitetos até mesmo para projetos novos, especialmente para instalações comerciais e em prédios públicos, onde estruturas, tubulações e outros elementos técnicos ficam expostos.

Lumière Cinema - Maastricht

Lumière Cinema – Maastricht

Ocorre um foco acentuado no aspecto puramente funcional dos ambientes; a máxima de Louis Sullivan – a forma segue a função – levada ao extremo; além de uma questão de funcionalismo, é também uma questão de objetivismo: faz o que for preciso para o ambiente ser usado e deixe as pessoas usarem; os ornamentos são as próprias instalações, que podem ser destacadas por cores vibrantes em tubulações e outros elementos. Ao mesmo tempo em que isso acontece devido ao baixo custo desse tipo de instalação, ocorre também pela própria tendência estética de maquinaria industrial em voga na arquitetura contemporânea.

Industrial Style - Apartamento

Industrial Style – Apartamento

Para obter a sensação industrial em um ambiente, a primeira inspiração será a visita a instalações industriais e de serviços: borracharias, oficinas mecânicas, depósitos, marcenarias, vidraçarias etc.

Os componentes do estilo industrial incluem, evidentemente, os elementos funcionais da construção: madeira bruta, elementos construtivos, tubulações, tijolos e estruturas metálicas expostas, luminárias industriais e concreto. Esses elementos ajudam a dar ao espaço uma sensação de “armazém”, “depósito”, “fábrica”, que é o objetivo final desse estilo de design. Esse estilo incorpora matérias-primas para dar ao espaço uma sensação inacabada.

Decoração Industrial

Decoração Industrial

Uma paleta de cores natural é mais comumente usada. Uma mistura de cinzas, neutros e cores rústicas pode ser vista nesses espaços. Essas cores simples permitem o uso de móveis e outros acessórios para ajudar a animar o ambiente.

Seccionais grandes são um item básico em qualquer sala de estilo industrial, devido à capacidade de ajudar a fechar espaços maiores e a dividir as áreas; importante uma vez que espaços como lofts tendem a ser muito abertos.

Industrial Chic do Restaurante Tessa / Upper West Side, NYC

O “Industrial Chic” do Restaurante Tessa no Upper West Side – NYC

No que diz respeito à iluminação, as luminárias de chão são tendências. Qualquer luminária com acabamentos metálicos se encaixa nesse estilo. As grandes janelas abertas também ajudam a trazer luz natural para o espaço, o que pode ser muito benéfico para espaços menores. As luminárias aéreas também podem dar à área um ambiente industrial, especialmente na cozinha.

fachada estilo industrial

Fachada em Estilo Industrial

O estilo industrial também pode ser visto no uso de materiais inesperados utilizados na construção. Os contêineres de transporte estão agora sendo usados ​​na arquitetura de residências e espaços comerciais.

Saiba mais

Wikipedia (inglês)

Referências

  • Durieux, Brigitte; Hamani, Laziz (2012). Industrial Chic: Cult Furniture, Design and Lighting. Thames & Hudson. ISBN 978-0-500-51663-8.
  • Emslie, Sara (2017). Urban Pioneer: Interiors inspired by industrial design. Ryland Peters & Small. ISBN 978-1849758000.

Publicidade