International Style

Publicidade

O International Style – Estilo Internacional – ou Internacionalismo foi um influente estilo arquitetônico que foi desenvolvido nas décadas de 1920 e 1930 e estava intrinsecamente relacionado à arquitetura moderna.

One Liberty Plaza - John Cahill

One Liberty Plaza – Nova York

Foi definido pela primeira vez pelos curadores do Museu de Arte Moderna Henry-Russell Hitchcock e Philip Johnson em 1932, com base em obras de arquitetura da década de 1920. Os termos Arquitetura Racionalista e Arquitetura Moderna são freqüentemente usados ​​como sinônimos do International Style.

É definido pelo Getty Research Institute como:

“o estilo de arquitetura que surgiu na Holanda, França e Alemanha após a Primeira Guerra Mundial e se espalhou por todo o mundo, tornando-se o estilo arquitetônico dominante até a década de 1970. O estilo é caracterizado por uma ênfase na volume sobre massa, uso de materiais industriais leves e produzidos em massa, rejeição de todos os ornamentos e cores, formas modulares repetitivas e uso de superfícies planas, alternando normalmente com áreas de vidro “.

The Glass Palace - Heerlen - Netherlands - Frits Peutz - 1935

The Glass Palace – Heerlen – Netherlands – Frits Peutz – 1935

Contexto Histórico

Por volta de 1900, vários arquitetos ao redor do mundo começaram a desenvolver novas soluções arquitetônicas para integrar os precedentes tradicionais com novas demandas sociais e novas possibilidades tecnológicas.

O trabalho de Victor Horta e Henry van de Velde em Bruxelas, Antoni Gaudí em Barcelona, ​​Otto Wagner em Viena e Charles Rennie Mackintosh em Glasgow, entre muitos outros, pode ser visto como uma luta comum entre o antigo e o novo. Esses arquitetos não eram considerados parte do estilo internacional porque a

tuavam “de maneira individualista” e eram vistos como os últimos representantes do romantismo. Contribuíram, no entanto, no âmbito da arquitetura, para a consolidação de um movimento que viria a ser conhecido como Modernismo, movimento este mais amplo do qual o International Style viria ao mesmo tempo surgir, e constituir.

Antes do uso do termo ‘Estilo Internacional’, alguns arquitetos americanos – como Louis Sullivan, Frank Lloyd Wright e Irving Gill – pregavam a valorização de qualidades de simplificação, honestidade e clareza formal.

O portfólio Wasmuth de Frank Lloyd Wright havia sido exibido na Europa e influenciado o trabalho dos modernistas europeus, e suas viagens por lá provavelmente influenciaram seu próprio trabalho, embora ele se recusasse a ser categorizado com eles. Seus edifícios das décadas de 1920 e 1930 mostraram claramente uma mudança no estilo do arquiteto, mas em uma direção diferente do estilo internacional.

Na Europa, o movimento moderno da arquitetura foi chamado de Funcionalismo ou Neue Sachlichkeit (Nova Objetividade), L’Esprit Nouveau, ou simplesmente Modernismo e estava muito preocupado com a união de uma nova forma arquitetônica e reforma social, criando um ambiente mais aberto e sociedade transparente.

O Estilo Internacional pode ser atribuído a edifícios projetados por um pequeno grupo de modernistas, dos quais as principais figuras incluem Ludwig Mies van der Rohe, Jacobus Oud, Le Corbusier, Richard Neutra e Philip Johnson.

Seagram Building - New York

Seagram Building – New York

O fundador da escola da Bauhaus, Walter Gropius, juntamente com o proeminente instrutor da Bauhaus, Ludwig Mies van der Rohe, tornou-se conhecido pelas estruturas de aço que empregam paredes de cortinas de vidro. Um dos primeiros edifícios modernos do mundo onde isso pode ser visto é uma fábrica de calçados projetada por Gropius em 1911 em Alfeld, Alemanha, chamada de Fagus Works.

O primeiro edifício construído inteiramente com base nos princípios de design da Bauhaus foi o Haus am Horn, concreto e aço, construído em 1923 em Weimar, na Alemanha, projetado por Georg Muche.

Gropius também projetou o prédio da escola Bauhaus em Dessau, construído em 1925-1926, e o Harvard Graduate Center (Cambridge, Massachusetts; 1949–50), também conhecido como Complexo Gropius, exibe linhas limpas e uma “preocupação com espaços interiores despojados”.

Bauhaus School - Dessau - Walter Gropius

Bauhaus School – Dessau – Walter Gropius

Marcel Breuer, líder reconhecido na arquitetura Béton Brut (brutalista) e ex-aluno notável ​​da Bauhaus, depois de deixar a Bauhaus mais tarde ensinaria ao lado de Gropius em Harvard, também é um importante colaborador do Modernismo e do Estilo Internacional.

O “Estilo Internacional”, definido por Hitchcock e Johnson, havia se desenvolvido na Europa Ocidental dos anos 1920, moldado pelas atividades do movimento holandês De Stijl, Le Corbusier, e do Deutscher Werkbund e Bauhaus.

Le Corbusier adotara as estratégias tayloristas e fordistas adotadas nos modelos industriais americanos para reorganizar a sociedade. Ele contribuiu para uma nova revista chamada L’Esprit Nouveau, que defendia o uso de técnicas e estratégias industriais modernas para criar um padrão de vida mais alto em todos os níveis socioeconômicos.

Le Corbusier - Villa Savoye - Poissy - France

Le Corbusier – Villa Savoye – Poissy – France

Em 1927, uma das primeiras e mais definidoras manifestações do Estilo Internacional foi a Weissenhof Estate, em Stuttgart, supervisionada por Ludwig Mies van der Rohe. Era muito popular, com milhares de visitantes diários.

Exposição MoMA de 1932

Philip Johnson co-definiu o International Style com Henry-Russell Hitchcock enquanto ainda universitário, e mais tarde se tornou um de seus praticantes.

A exposição Arquitetura Moderna: Exposição Internacional decorreu de 9 de fevereiro a 23 de março de 1932, no Museu de Arte Moderna (MoMA), no Heckscher Building na Quinta Avenida e na 56th Street, em Nova York.

Além de um hall de entrada e escritório, a exposição foi dividida em seis salas: a seção “Arquitetos Modernos” começou na sala de entrada, apresentando um modelo do conjunto habitacional Chrystie-Forsyth Street de William Lescaze, em Nova York.

De lá, os visitantes chegavam na sala A, localizada no centro, com um modelo de um conjunto habitacional para Evanston, Illinois, pelos irmãos arquitetos de Chicago Monroe Bengt Bowman e Irving Bowman, além de um modelo e fotos da Bauhaus em Dessau de Walter Gropius.

No maior espaço de exposição, a Sala C, foram obras de Le Corbusier, Ludwig Mies van der Rohe, J.J.P. Oud e Frank Lloyd Wright (incluindo um projeto para uma casa na Mesa em Denver, 1932).

A sala B era uma seção intitulada “Habitação”, apresentando “a necessidade de um novo ambiente doméstico”, como havia sido identificado pelo historiador e crítico Lewis Mumford.

Na sala D estavam as obras de Raymond Hood (incluindo “Apartment Tower in the Country” e o edifício McGraw-Hill) e Richard Neutra.

Na sala E, havia uma seção intitulada “A extensão da arquitetura moderna”, acrescentada no último minuto, que incluía as obras de trinta e sete arquitetos modernos de quinze países que se diziam influenciados pelas obras dos europeus da década de 1920. Entre esses trabalhos, foram mostrados os escritórios do jornal Turun Sanomat, de Alvar Aalto, em Turku, Finlândia.

Depois de seis semanas na cidade de Nova York, a exposição visitou os EUA – a primeira “exposição itinerante” de arquitetura nos EUA – por seis anos.

Características do Estilo Internacional

Hitchcock e Johnson identificaram três princípios:

  • a expressão do volume em vez da massa;
  • a ênfase no equilíbrio em vez da simetria preconcebida e;
  • a expulsão do ornamento aplicado.

As características comuns do Estilo Internacional incluem:

  • uma simplificação radical da forma;
  • uma rejeição do ornamento e;
  • a adoção de vidro, aço e concreto como materiais preferidos.
Lovell House (Health House) - Los Angeles - California

Lovell House (Health House) – Los Angeles – California

Além disso, a transparência dos edifícios, a construção e a aceitação das técnicas industrializadas de produção em massa contribuíram para a filosofia de design do International Style.

Os ideais do estilo internacional são comumente resumidos em três slogans:

  • O ornamento é um crime;
  • A verdade dos materiais;
  • A forma segue a função.

Soma-se ainda a conhecida conclusão de Le Corbusier:

“Uma casa é uma máquina para se viver”.

Tais assertivas contribuíram para levar os arquitetos internacionais a criar construções que definitivamente ultrapassaram o historicismo.

Sede da ONU - Le Corbusier e Oscar Niemeyer

Sede da ONU – Le Corbusier e Oscar Niemeyer

O típico estilo internacional geralmente consiste no seguinte:

  • Formas quadradas ou retangulares
  • Composição cúbica simples de “retângulo extrudado”
  • Janelas em execução em linhas horizontais quebradas, formando uma grade
  • Todos os ângulos da fachada são 90 graus.
Equitable Building - Atlanta

Equitable Building – Atlanta

O movimento moderno na arquitetura se desenvolveu através da consonância do trabalho de vários arquitetos que atuaram de forma relativamente independente entre as décadas de 1880 a 1930. A partir de 1930, com a consolidação de Escolas como a Bauhaus e, especialmente após a 2ª Guerra, estes movimentos alcançaram uma certa unificação de princípios, os quais se veem com clareza no International Style.

Tower-C-of-Place-de-Ville-Ottawa

Tower C do Place de Ville – Ottawa

A partir de 1940 até 1980 este estilo predominou em todo o mundo ocidental e a unidade estética alcançada, ainda que seja uma estética funcionalista, representa a Arquitetura Modernista em sua melhor forma, quando os termos Modernismo e International Style passaram a ser entendidos de forma popular, como sinônimos.

International Style no Brasil

O estilo international foi amplamente adotado no Brasil a partir da década de 50. Devido a peculiaridade da padronização internacional do estilo, as obras brasileiras se assemelham muito aos projetos contemporâneos do exterior.

O destaque fica para Oscar Niemeyer, que propôs um estilo internacional mais orgânico e sensual ao projetar os marcos políticos da nova capital planejada, Brasília.

Congresso Nacional - Brasília

Congresso Nacional – Brasília

Palácio do Planalto - Brasília

Palácio do Planalto – Brasília

Catedral de Brasília

Catedral de Brasília

Imagens: 123 

Críticas ao International Style

Em 1930, Frank Lloyd Wright escreveu:

“As casas humanas não devem ser como caixas, ardendo sob o sol, nem devemos ultrajar a Máquina, tentando tornar as moradias muito semelhantes a uma maquinaria”.

No conhecido ensaio de Elizabeth Gordon de 1953, A Ameaça para a Próxima América, ela criticou o estilo internacional como pouco prático, citando muitos casos em que as “casas de vidro” eram muito quentes no verão e muito frias no inverno, vazias, acabavam com o.espaço privado, careciam de beleza e geralmente não eram habitáveis. Além disso, ela acusou os defensores desse estilo de tirar o senso de beleza das pessoas e, assim, pressionar secretamente por uma sociedade totalitária.

Em 1966, o arquiteto Robert Venturi publicou Complexity and Contradiction in Architecture, essencialmente uma crítica ao International Style. O historiador da arquitetura Vincent Scully considerou o livro de Venturi como ‘provavelmente a escrita mais importante sobre a criação da arquitetura desde a Vers une Architecture de Le Corbusier. Venturi contribuiu, portanto, para pensar o pós-modernismo.

O autor best-seller americano Tom Wolfe escreveu uma crítica em forma de livro, From Bauhaus to Our House (clique e leia a resenha), retratando o estilo como elitista.

Identidade Global?

Identidade Global?

O ponto inicialmente considerado mais forte do Estilo Internacional era que as soluções de design eram indiferentes à localização, terreno e clima, de modo que as soluções deveriam ser universalmente aplicáveis. O projeto não levava em conta a história local ou ao vernáculo nacional.

Esta característica predominante no International Style logo foi identificada como uma das principais fraquezas do estilo.

Padronização Estilo Modernista

Padronização

Em 2006, Hugh Pearman, crítico de arquitetura britânico do The Times, observou que aqueles que usam o estilo atualmente são simplesmente “outra espécie de revivalistas”, notando a ironia. Esta visão destaca o fato que não só na arquitetura mas na sociedade humana como um todo nada é definitivo. A reação negativa ao modernismo internacionalista tem sido associada à antipatia do público pelo hiper-desenvolvimento urbano, resultado da aceleração das relações econômicas contemporâneas.

Arranha-céus-Parece-uma-capital-ocidental-mas-é-Shinjuku-no-Japão

Arranha-céus – Parece uma capital ocidental, mas é Shinjuku no Japão

No prefácio da quarta edição de seu livro Arquitetura Moderna: Uma História Crítica (2007), Kenneth Frampton argumentou que havia um “viés eurocêntrico perturbador” na história da arquitetura moderna. Este “eurocentrismo” incluiu os EUA. Afinal, um estilo desenvolvido em algumas capitais do hemisfério norte acabou definindo a arquitetura em todos os cantos do mundo e isso é um desrespeito as particularidades locais.

Saiba mais

Wikipedia (inglês)

Referências

  • Boness, Stefan. Tel Aviv: The White City, Jovis, Berlin 2012, ISBN 978-3-939633-75-4
  • Elderfield, John (ed.). Philip Johnson and the Museum of Modern Art, Museum of Modern Art, New York, 1998
  • Gössel, Gabriel. Functional Architecture. Funktionale Architektur. Le Style International. 1925–1940, Taschen, Berlin, 1990
  • Riley, Terence. The International Style: Exhibition 15 and The Museum of Modern Art, Rizzoli, New York, 1992
  • Tabibi, Baharak Exhibitions as the Medium of Architectural Reproduction – “Modern Architecture: International Exhibition”, Department of Architecture, Middle East Technical University, 2005]

Publicidade