Mansão Clark – Nova York (Clark Mansion)

Publicidade

Quem se interessa por arquitetura antiga, se depara eventualmente com grandes obras do século XX já realizadas no Brasil, e também nas grandes capitais do mundo. Umas mais, outras menos, mas todas as capitais preservam alguns de seus belos palacetes, representantes da opulência de outras épocas.

Mas nenhuma capital teve tantos e tão belos edifícios, palacetes e mansões quanto Nova York. A imodesta riqueza alcançada nesta cidade levou sua arquitetura a patamares de luxo nunca antes alcançados e não hoje mais reproduzidos. Um dos exemplos mais clássicos dessa magnificência foi a mansão do Senador William Clark.

Clark Mansion

Clark Mansion

A Casa de William A. Clark, conhecida como Clark Mansion – Mansão dos Clark – e apelidada de “Loucura do Clark” – tamanha era a suntuosidade da residência – era uma mansão localizada na Quinta Avenida, 962, no canto nordeste de seu cruzamento com a East 77th Street, no Upper East Side de Manhattan, Nova York.

Mansão Clark - Nova York

Mansão Clark – Nova York

A mansão possuía nove andares e se localizava na Quinta Avenida, 952, esquina com a 77th Street. A imponente estrutura Beaux-Arts levou mais de seis anos para ser construída e contou com uma enorme torre encimada por uma cúpula.

A construção da mansão é descrita na biografia mais vendida da filha de Clark, Huguette, e sua família, Empty Mansions: The Mysterious Life of Huguette Clark e Spending of a Great American Fortune por Bill Dedman e Paul Clark Newell, Jr.

Mansão Clark - Nova York

Mansão Clark – Nova York

Foi relatado que Clark comprou uma pedreira em New Hampshire, a um custo de US $ 50.000 (equivalente a US $ 1.344.000 em 2018), e construiu uma ferrovia para retirar as pedras do edifício. Ele também comprou uma fundição de bronze, empregando 200 homens para fabricar os acessórios de bronze. Além disso, ele importou mármore da Itália, carvalho da floresta de Sherwood, na Inglaterra, e partes de antigos castelos franceses para o interior.

Clark Mansion

Clark Mansion

O senador William A. Clark, um rico empresário e político de Montana, contratou o arquiteto francês Henri Deglane para projetar a mansão e a firma de Nova York Lord, Hewlett and Hull para construir a habitação de 121 quartos, do tamanho de um hotel. Clark exigia todas as conveniências modernas da época, incluindo piscina, banho turco, trinta e um banheiros, salão de banquetes, adega, garagem escondida, uma linha ferroviária subterrânea privada para trazer carvão para aquecimento, quatro grandes galerias de arte, uma biblioteca , o famoso Salon Doré, e um elevador grande o suficiente para acomodar vinte pessoas.

Mansão Clark - Nova York

Mansão Clark – Nova York

A casa tinha 250 pés na 77th Street e 77 pés na Quinta Avenida, mais do que qualquer outro homem rico na Quinta em frente ao parque, exceto Andrew Carnegie. A fachada da Quinta Avenida era grande para uma casa em Nova York, com três baías de granito.
Na 77th Street, a casa apresentava uma longa fachada que se elevava a um telhado íngreme de mansarda. A casa apresentava uma torre espetacular de quatro lados com um arco de três andares de altura e encimado por uma pérgola aberta que, segundo se dizia, era visível de quase qualquer lugar do Central Park.

Detalhes Fachada

Detalhes Fachada

A casa tinha nove andares, com banhos turcos abaixo do nível do solo, lavanderia no último andar e muitas colunas de mármore grego. Havia uma lareira de mármore numidiana na sala de banquetes, de 15 pés de diâmetro, com figuras em tamanho real de Diana e Netuno. Os 121 quartos estavam cheios de tapeçarias medievais e obras de arte. Na sala de café da manhã, havia 170 painéis esculpidos, sem dois sendo idênticos.

Salão Oval da Mansão Clark

Salão Oval da Mansão Clark

No segundo andar, havia uma rotunda de 36 pés de altura, de mármore de Maryland, com oito colunas de mármore violeta Bresche, usada como sala de estatuária. A sala se abria para um conservatório de latão e vidro maciço, com 30 pés de altura e 22 pés de largura. Do outro lado da rotunda, ficava a galeria principal de painéis de mármore, com 15 metros de comprimento e 2 andares de altura. Um loft de órgão abrigava o maior órgão de câmara da América. O órgão possuía quatro manuais (teclados) e pedalboard, 74 fileiras e 71 pontos de fala.

Mansão Clark

Mansão Clark

O Salon Doré, um quarto ornamentado do século XVIII retirado do Hotel de Clermont em Paris, foi instalado na casa e serviu como sala de recepção.

Havia 25 quartos com banheiros próprios e 35 quartos de empregada, com quartos de homens (a leste) e quartos de mulheres (a oeste). Havia também uma biblioteca gótica de 90 pés de comprimento, com um teto com vigas e uma imensa lareira esculpida.

Vista oposta da Mansão

Vista oposta da Mansão

A coleção de arte de Clark incluía obras de Eugène Delacroix, Jean-François Millet, Jean-Baptiste-Camille Corot, John Constable, François Boucher e Charles-François Daubigny. Foi relatado que ele gastou US $ 200.000 (equivalente a US $ 5.378.000 em 2018) para as tapeçarias de Gobelin pertencentes ao príncipe Murat e US $ 350.000 (equivalentes a US $ 9.411.000 em 2018) para os do conde de Coventry.

Clark Mansion nos últimos dias de sua breve existência

Clark Mansion nos últimos dias de sua breve existência

A construção iniciou-se em 1897 e foi concluída em 1911, ao custo de US $ 7 milhões (equivalente a US $ 183 milhões em valores atuais).

Em 1925, após a morte de Clark, sua viúva e sua filha, Huguette Clark, foram para a Quinta Avenida 907, onde o aluguel anual de um apartamento inteiro era de cerca de US $ 30.000. Pouco tempo depois, a mansão foi vendida para Anthony Campagna por US $ 3 milhões (equivalente a US $ 42.860.000 em 2018). Ele demoliu a casa em 1927, 16 anos depois de sua conclusão.

Foi substituído pelo atual prédio de apartamentos de luxo na 960 Fifth Avenue.

O Salon Doré foi legado à Galeria de Arte Corcoran em Washington, DC

Senador Clark e sua família

Senador William A. Clark e sua família

Fonte e outras imagens

The Lost 1908 William A. Clark Mansion

Publicidade